Linux para DBAs SQL Server 09 – Parametrização

Neste post abordarei como configurar o SQL Server em um ambiente Linux.

Já em próximo post falarei sobre as diferenças básicas entre os Sistemas Operacionais Windows e Linux, no entanto, anteciparei aqui alguns pontos que se fazem necessários.

Imagine um cenário onde os ambientes são similares com exceção do Sistema Operacional. Contamos com um Linux e Windows sem interface gráfica. Como você faria uma pequena manutenção tal como definir um trace flag?

Para quem não possui experiência em administração de ambientes Windows Core, para fazer tal alteração no SQL Server no Windows Core é feito no Windows Registry e no Linux em arquivos específicos.

O Windows é estruturado para que os parâmetros dos softwares sejam registrados em uma base chamada Registry.  Já no ambiente Linux os softwares possuem arquivos editáveis aos usuários que são utilizados para parametrizações e isso inclui o SQL Server.

Para conhecer melhor como incluir parâmetros de inicialização no SQL Server através do Registry do Windows veja o post: https://sqlcrespi.com/2018/05/22/parametros-de-inicializacao-do-sql-server/ No meu GitHub há uma função em PowerShell que retorna os parâmetros de inicialização do SQL Server: https://github.com/SQLCrespi/material/blob/master/Parâmetros%20de%20Inicialização%20do%20SQL%20Server.

Para fins de exemplo na imagem abaixo mostro como no regedit podemos adicionar um traceflag. Neste exemplo utilizei o 3226 (que omite os backups de log de transação).

OK! Já aprendemos como parametrizar o SQL Server em ambientes Windows Server agora vamos ao Linux.

Para esta demonstração estou utilizando um SQL Server 2017 que está rodando em um Linux Ubuntu18.04.2 LTS.

O que precisamos saber é que para fazer a configuração do SQL Server precisamos ter permissão. No meu caso vou utilizar o usuário Root. Confira como funciona o sistema de permissão do seu ambiente.

Aqui o importante é saber que o arquivo de configuração do SQL Server no Linux está no diretório /var/opt/mssql e o arquivo é o mssql.conf.

Para editar o arquivo, você poderá utilizar qualquer editor de texto. Eu costumo utilizar no nano. Vejamos abaixo:

Esses são alguns valores de exemplo para configuração. Claro que todas as configurações são feitas igualmente no registry do Windows Server.

Também sugiro a leitura desta página do docs da Microsoft: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/linux/sql-server-linux-configure-mssql-conf?view=sql-server-ver15

Minha última recomendação sobre a configuração do SQL Server no Linux é conhecer e respeitar o Sistema Operacional de destino, principalmente no quesito de gerenciamento de memória.

Abraço, Rodrigo

Author: SQLCrespi

Rodrigo Crespi é MVP Data Platform, MCT, MCSE, MCSA, MCIT, MCDBA e MCP em SQL Server, possuí outras certificações em .NET Framework, Dynamics CRM e etc. Iniciou trabalhando com SQL Server na versão 6.5 na época como desenvolvedor, logo direcionou a sua carreira para a área de administração de bancos de dados. Atualmente é Sócio da CrespiDB – Soluções em Plataformas de Dados, além de professor universitário na Uniftec – Caxias do Sul Autor de diversos artigos publicados em sites e revistas sobre SQL Server e engenharia de software, mantem o canal SQLCrespi no Youtube, o blog SQLCrespi, além de ser dedicado ao SQL Server RS PASS Chapter Leader do grupo de profissionais em SQL Server do Rio Grande do Sul.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.